GROSCON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA

CNPJ nº 26.228.270/0001-48

BALANÇO PATRIMONIAL
(Em milhares de Reais)
A T I V O 30.06.2020 31.12.2019
.
Circulante 1.106 862
Disponível 170 21
Caixa e Bancos 170 21
Títulos e Valores Mobiliários 680 624
.
Realizável à Curto Prazo 256 217
Outros Créditos 256 217
Valores Específicos Créditos de Consórcio 42 27
Adiantamentos Salariais 3 4
Adiantamentos Pagamentos Nossa Conta 4 16
Devedores Depósitos em Garantia 24 9
Créditos Tributários 112 113
Devedores Diversos – País 71 48
-
Permanente 934 1.070
Investimentos 730 887
Imobilizado de Uso 469 503
Diferido 52 0
(-) Depreciações e Amortizações (317) (320)
TOTAL DO ATIVO 2.040 1.932

P A S S I V O 30.06.2020 31.12.2019
Circulante 857 904
Outras Obrigações 857 904
Fiscais e Previdenciárias 202 122
Obrigações por Recursos Cons. Gr. Encerr. 117 201
Provisões para Pagamentos a Efetuar 105 129
Provisão para Contingências 384 403
Credores Diversos do País 49 49
Patrimônio Líquido 1.183 1.028
Capital Social 1.015 1.015
Lucros (Prejuízos) do Período 168 13
TOTAL DO PASSIVO 2.040 1.932

As notas explicativas integram as demonstrações contábeis
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO CONSOLIDADO
(Em Milhares de Reais)
NOMENCLATURA 1.oSemestre 2020 1.oSemestre 2019
-
RECEITAS OPERACIONAIS 2.927 4.520
Rendas de Taxas de Administração 2.609 3.346
Rendas de Outros Serviços 523 1.389
Rendas de Tít. Renda Variável 6 22
Impostos Incidentes sobre Rendas (211) (237)
-
DESPESAS OPERACIONAIS (2.803) (4.348)
Despesas Administrativas (187) (213)
Despesas com Pessoal (504) (529)
Outras Despesas Administrativas (47) (23)
Aprovisionamentos e Ajustes 0 0
Outras Despesas Operacionais (2.065) (3.583)
-
RESULTADO OPERACIONAL 124 172
-
Resultado não operacional 102 2
Resultado Antes do Imp. de Renda 226 174
-
Imp.Renda e Contrib.Social (69) (52)
Participações nos Lucros 0 0
-
Resultado Líquido do Período 157 122
Resultado Líquido por Cota 0,15 0,12

As notas explicativas integram as demonstrações contábeis
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE
(Em milhares de Reais)
NOMENCLATURA 1.oSemestre 2020 1.oSemestre 2019
Lucro Líquido do Período 157
Parcela dos Sócios 157
(-) Ajustes de Instrumentos Financeiros 0 -2
(=) Outros Resultados Abrangentes Antes da Reclassificação 0 -2
(=) Outros Resultados Abrangentes 0 -2
Parcela dos Sócios -2 0
Resultado Abrangente Total 155
Parcela dos Sócios 155 0

As notas explicativas integram as demonstrações contábeis
DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA
(Em milhares de Reais)
Descrição 1.oSemestre 2020 2.oSemestre 2019
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS
Lucro (Prejuízo) líquido do exercício 157 20
Ajustes para reconciliar o lucro (prejuízo) líquido do exercício -5 13
com o caixa gerado pelas atividades operacionais: -2 0
Depreciação e amortização -3 13
-
(Aumento) redução nos ativos operacionais: -40 5
Contas a receber de clientes -7 -11
Créditos Diversos -33 +16
-
Aumento (redução) nos passivos operacionais: -48 5
Fornecedores -1 2
Impostos a Recolher +79 3
Salários, provisões e encargos sociais -22 -20
Empresas Ligadas 0 0
Outras obrigações e contas a pagar -104 14
Caixa Gerado pelas (aplicado nas) atividades operacionais 64 37
-
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO
Baixa de outros investimentos 158 -30
Aquisição de imobilizado e adições ao diferido -18 -39
Caixa gerado pelas (aplicado nas) atividades de investimento 140 -69
-
FLUXO DE CAIXA DAS ALTERAÇÕES CAPITAL
Caixa gerado pelas (aplicado nas) Atividades de Financiamento 0 -176
-
AUMENTO (REDUÇÃO) DO SALDO DE DISPONIBILIDADES 204 -208
-
DISPONIBILIDADES:
Saldo inicial 645 853
Saldo Final 849 645
-
AUMENTO (REDUÇÃO) DO SALDO DAS DISPONIBILIDADES 204 -208

As notas explicativas integram as demonstrações contábeis

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO
(Em Milhares de Reais)
1º Sem. 2020 Capital Social Integral. Reserv. de Capital e Ações em Tesour. Reserv. de Lucros Lucro ou Prejuizos Acum. Outros Result. Abrang. Pat. Liquido Acumulado Demonst. Resultado Abrang.
Saldos Iniciais 1.015 - - 13 - 1.028 -
Ajuste Intrumento financeiro - - - - -2 -2 -2
Outros Resultados Abrangentes - - - - -2 -2 -2
Lucro Liq. no Período - - - 157 - 157 157
Saldos Finais 1015 - - 170 -2 1.183 155



As notas explicativas integram as demonstrações contábeis
DEMONSTRAÇÃO CONSOLIDADA DOS RECURSOS DE CONSÓRCIO
(Em Milhares de Reais)
ATIVO RUBRICA 30.06.2020 30.06.2019
CIRCULANTE 1.0.0.00.00-7 23.877 24.806
Disponibildades 1.1.0.00.00-6 39 30
Depósitos Bancários 1.1.2.92.00-3 39 30
Aplicações Interfin. de Liquidez 1.2.0.00.00-5 7.016 7.211
Disponibilidades dos Grupos 1.2.9.90.12-2 516 879
Vinculadas a Contemplações-SELIC 1.2.9.90.25-9 6.493 6.305
Vinculadas a Contempl. – Demais Apic. 1.2.9.90.35.9 0 0
Recursos de Grupos em Formação 1.2.9.90.55-5 7 27
Outros Créditos 1.8.0.00.00-9 16.822 17.565
Adiantamentos Recursos Terceiros 1.8.7.80.00-6 0 0
Bens Apreendidos ou retomados 1.8.7.88.00-8 5 25
Direitos Junto consorc. Contempl. 1.8.7.93.00-0 16.817 17.540
- Normais 1.8.7.93.05-5 15.182 15.913
- Em Atraso 1.8.7.93.15-8 568 431
- Em Cobrança Judicial – Gr. Andam. 1.8.7.93.20-6 1.068 1.196
- Cheques e Outros valores a receber 1.8.7.98.00-5 0 0
COMPENSAÇÃO 3.0.0.00.00-1 161.256 168.186
Previsão Mensal de Rec. a Receber 3.0.7.75.00-6 1.017 1.031
Contribuições devidas aos Grupos 3.0.7.78.00-3 84.619 88.103
Consorciados – Bens a Entregar 3.0.7.78.10-6 75.620 79.052
TOTAL GERAL DO ATIVO 3.9.9.99.99-3 185.133 192.992


PASSIVO RUBRICA 30.06.2020 30.06.2019
CIRCULANTE 4.0.0.00.00-8 23.877 24.806
Obrigações com consorciados 4.9.8.82.00-7 7.825 8.516
Valores a Repassar 4.9.8.86.00-3 669 685
Obrigações p/ contempl. a Entregar 4.9.8.91.00-5 6.493 6.305
Obrigações com a Administradora 4.9.8.92.00-4 0 0
Recursos a Devolver a Consorciados 4.9.8.94.00-2 7.512 7.950
Recursos do Grupo 4.9.8.98.00-8 1.378 1.350
COMPENSAÇÃO 9.0.0.00.00-3 161.256 168.186
Rec. Mensais a Rec. de Consorciados 9.0.7.75.00-8 1.017 1.031
Obrig. dos Grupos por Contribuições 9.0.7.78.00-5 84.619 88.103
Bens ou Serviços a Contemplar 9.0.7.82.00-8 75.620 79.052
TOTAL GERAL DO PASSIVO 9.9.9.99.99-5 185.133 192.992
As notas explicativas integram as demonstrações contábeis
​ DEMONSTRAÇÃO CONSOLIDADA DAS VARIAÇÕES NAS DISPONIBILIDADES DE GRUPOS
(Em Milhares de Reais)
NOMENCLATURA 1º SEMESTRE 2020 ACUMULADO 1º SEMESTRE 2019 ACUMULADO
Disponibilidades Iniciais 7.454 6.636
Depósitos Bancários 60 28
Cheques em Cobrança 0 0
Aplicações Financeiras de Grupos 527 666
Aplic. Financ. Vinc. a Contemp 6.867 5.942
-
(+) Recursos Coletados 9.941 133.729 11.377 126.479
Contribuições Aquisição de Bens 7.091 90.186 7.671 86.726
Taxa de Administração 2.517 37.228 3.266 33.785
Contribuição ao Fundo Reserva 0 0 0 0
Rendimentos de Aplic. Financeiras 72 2.785 160 2.830
Multas e Juros Moratórios 40 553 47 522
Prêmios de Seguros 219 2.961 224 2.594
Custas Judiciais 2 16 2 15
Outros 0 0 7 7
-
(-) Recursos Utilizados 10.341 126.674 10.771 119.237
Aquisição de Bens 7.018 81.464 6.853 78.348
Taxa de Administração 2.502 37.186 3.298 33.763
Multas e Juros Moratórios 20 276 25 260
Prêmios de Seguros 236 2.920 225 2.519
Custas Judiciais 2 16 2 14
Devol. a Consorciados Desligados 544 4.510 280 4.045
Rend.Pagos Vinc.Contemplações 0 0 0 0
Outros 19 302 88 288
-
Disponibilidades Finais 7.054 7.054 7.241 7.241
Depósitos Bancários 39 39 30 30
Aplicações Financeiras – Grupos 522 522 906 906
Cheques em Cobrança 0 0 0 0
Aplic.Financ.Vinc. a Contemplação 6.493 6.493 6.305 6.305



As notas explicativas integram as demonstrações contábeis


GROSCON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA

Rua São Sebastião do Paraíso,1035 Jardim Francano Cep 14.405-010 – Franca – SP - CNPJ nº 26.228.270/0001-48

NOTAS EXPLICATIVAS ÁS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
NOTA 1 -
CONTEXTO OPERACIONAL
A sociedade tem por finalidade a constituição, organização e administração, na forma da legislação em vigor emanada pelo Banco Central do Brasil, de um consórcio, cujo objetivo é propiciar à cada um dos consorciados, mediante um fundo comum, a aquisição de veículos automotores, imóveis e outros bens.
NOTA 2 -
APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
As demonstrações contábeis foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com os critérios do Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional - COSIF do Banco Central do Brasil, observando-se a Lei 11.795/2008, que rege as sociedades administradoras de consórcio, e dispositivos constantes da Lei nº 11.638 de 28/12/2007 e Lei nº 11.941 de 27/05/2009.
NOTA 3 -
PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS DA ADMINISTRADORA
3.1 -
A apuração do resultado é reconhecida segundo o regime de competência de exercícios, exceto pela taxa de administração que é reconhecida quando do seu efetivo recebimento, de acordo o disposto no item 1.26.1.2 do COSIF.
3.2 -
As aplicações interfinanceiras de liquidez e os valores mobiliários estão registrados pelo valor de aplicação ou de aquisição acrescidos dos rendimentos incorridos até a data do balanço.
3.3 -
O Imobilizado é demonstrado ao custo corrigido monetariamente até 31/12/1995, mais as adições e baixas ocorridas até 31/12/2019 e sua depreciação é calculada pelo método linear, a qual contempla a vida útil econômica dos bens
Bens Taxas Deprec. 30/06/2020 31/12/2019
Custo Contábil Deprec. Acumulada Imobilizado Líquido Imobilizado Líquido
Instalações 10% 14.240,00 (10.181,24) 4.058,76 4.460,28
Móveis e Utensílios 10% 99.217,00 (65.464,00) 33.753,00 37.817,28
Proc. De Dados 20% 60.902,21 (53.857,90) 7.044,31 6.381,83
Máquinas e Equip. 10% 39.899,00 (12.319,01) 27.579,99 29.334,94
Veículos 20% 254.843,66 (174.297,59) 80.546,07 105.047,31
TOTAL 469.101,87 (316.119,74) 152.982,13 183.041,64
3.4 -
A provisão para Imposto de Renda é constituída á alíquota de 15% sobre o Lucro Real, acrescida do adicional previsto na legislação fiscal. A provisão para a Contribuição Social sobre o Lucro é constituída á alíquota de 9% sobre o lucro liquido ajustado, de acordo com a legislação vigente;
3.5 -
As provisões de férias e 13o salário, são constituídas com base na remuneração dos empregados, inclui as vencidas e proporcionais e os correspondentes encargos sociais e o adicional de um terço;
3.6 -
O Passivo Circulante é demonstrado por valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas.
3.7 -
Os valores não retirados por Consorciados Desistentes e Excluídos, bem como, aqueles oriundos de Fundo de Reserva á disposição de consorciados ativos, relativos a grupos encerrados, encontram-se atualizados as taxas vigentes no mercado financeiro e estão inclusos e consignados sob a rubrica “Recursos não Procurados”, no montante de R$117.240,66.
3.8 -
O Capital Social, subscrito e integralizado esta dividido em 1.015.000 de quotas no valor de R$ 1,00 (um real) cada uma, pertencente a quotistas residentes no País.
Sócios R$ %
Telmo José Barbosa 1.010.000,00 99,5%
Mylene Lady Barbosa Maiote José 5.000,00 0,5%
TOTAL 1.015.000,00 100%
3.9 -
Levando-se em consideração que o limite de alavancagem das administradoras de consórcio estabelecido na Circular Bacen nº 3.524 de 03/02/2011 é de 6 (seis) vezes o valor de seu Patrimônio Liquido Ajustado obtido através dos seguintes fatores:
Saldo dos Grupos 7.054.213,36
( - ) Aplicação Financeira Vinculada a Contemplação (6.493.091,25)
Passivo Circulante da Administradora 857.081,60
( - ) Pendente de Recebimento em Cobrança Judicial (71.412,17)
( = ) RESULTADO 1.346.791,54
Divisor 6
( = ) RESULTADO DA DIVISÃO 224.465,26
( = ) Patrimônio Líquido Mínimo Exigido BACEN ( 1 ) 1.000.000,00
Patrimônio Líquido Junho 2019 1.027.604,22
( - ) Distribuição Lucros (0)
( - ) Ajustes de Períodos Anteriores -1.509,40
Contas de Resultado Credoras (conta 7.0.0.00.00-9) 3.239.083,89
( - ) Contas de Resultado Devedoras (conta 8.0.0.00.00-8) (3.082.132,68)
( = ) Patrimônio Líquido Ajustado Dezembro/2018 ( 2 ) 1.183.046,03
LIMITE P/ ALAVANCAGEM ( 3 ) = ( 2 – 1) 183.046,03

3.10 -
Considerando que o limite de imobilização não pode ultrapassar 100% do Patrimônio Líquido Ajustado, apresentamos o seguinte calculo:
Ativo Permanente ( 1 ) 933.959,59
( = ) Patrimônio Líquido Ajustado Dezembro/2019 ( 2 ) 1.183.046,03
LIMITE DE IMOBILIZAÇÃO ( 3 ) = ( 2 – 1 ) 249.086,44
3.11 -
O Patrimônio Líquido é demonstrado pelo valor corrigido monetariamente até 31/12/1995, acrescido dos valores movimentados até 30/06/2020.
3.12 -
As demonstrações financeiras estão em conformidade com a regulamentação emanada do Banco Central do Brasil.
NOTA 4 -
PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS DOS GRUPOS DE CONSÓRCIO
4.1 -
As Aplicações Financeiras Vinculadas são efetuadas exclusivamente em quotas do FUNDO ITAÚ EMPRESA TRUST RF REFERENCIADO DI FICFI, nos termos do artigo 1º da Circular Bacen nº 3.261 de 28/10/2004, sendo demonstradas pelos valores aplicados mais os rendimentos líquido auferidos até a data do balanço, observado o regime de competência
4.2 -
Os rendimentos das aplicações são rateados pelos grupos proporcionalmente aos seus saldos diários.
4.3 -
As demonstrações de recursos de consórcio e das variações nas disponibilidades dos grupos, consolidadas, são preparadas a partir das demonstrações individuais de cada grupo.
4.4 -
Os recursos coletados correspondem aos valores arrecadados dos grupos por ocasião do pagamento das prestações, reconhecidos mensalmente por regime de caixa.
4.5 -
Os recursos utilizados representam desembolsos efetuados por conta dos grupos de consórcio, para sua manutenção.
4.6 -
Os recursos a utilizar representam disponibilidades e direitos dos grupos de consórcio
4.7 -
A Taxa de Administração é apropriada de acordo com o pagamento das prestações, calculada por um percentual sobre o valor do bem objeto do consórcio que varia de acordo com a espécie do bem.
NOTA 5 -
GRUPOS DE CONSÓRCIO - INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
30/JUN/2020 31/DEZ/2019
Nº de Grupos Administrados 10 10
Consorciados Ativos 2.420 2.503
Consorciados Contemplados 1.573 1.470
Consorciados Não Contemplados 847 1.033
Bens Pendentes no Período 103 122
Bens Pendentes no Período Corrente 122 112
Bens Entregue Total 1.470 1.348
Nº de Desistentes/Excluídos no Período 452 438
Nº de Desistentes/Excluídos Total 6.975 6.590
Nº de Quitados 754 666
Taxa de Inadimplência 1.91% 1.70%
A Taxa de Administração média praticada (bens móveis) é de 17%.
A Taxa de Administração média praticada (bens imóveis) é de 23%.
NOTA 6 -
COMPONENTE ORGANIZACIONAL DE OUVIDORIA
Conforme estabelecido pela Resolução CMN nº 3.477 e pelas Circulares Bacen nºs 3.359 e 3.370, respectivamente de 28/07/2007, 03/08/2007 e 23/10/2007, todas as principais providências já foram adotadas para a devida implantação de componente organizacional de Ouvidoria, citando-se, entre eles, a designação do diretor responsável e do ouvidor, o serviço DDG 0800-940.3636, e adequação dos documentos a que o consorciado tenha acesso e cartaz informativo nos pontos de venda
NOTA 7 -
MANUAL DE CONTROLES INTERNOS
A Administradora mantém atualizado o manual de controles internos, onde se encontra registrado:
a-) O processo operacional da Administradora e dos Grupos de Consórcio;
b-) O gerenciamento de riscos, e
c-) O gerenciamento das contingências.
NOTA 8 -
INSTRUMENTOS FINANCEIROS
A Administradora não possui saldo de instrumentos financeiros derivativos em 30 de junho de 2020, cujas divulgações sejam requeridas nos termos das normas e instruções do Banco Central do Brasil.


TELMO JOSÉ BARBOSA
Diretor Administrativo



MYLENE LADY BARBOSA MAIOTE JOSÉ
Diretora Financeira



RENATA REYNALDO SILVA
Contadora-CRC1SP192715/O-0
RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
Aos Dirigentes da
GROSCON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA.
Franca - SP

Examinamos as demonstrações contábeis da GROSCON Administradora de Consórcios Ltda., que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 2020 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido, dos fluxos de caixa e o balanço dos grupos de consórcio para o exercício findo nessa data, bem como as correspondentes notas explicativas, incluindo o resumo das principais políticas contábeis.

OPINIÃO

Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da GROSCON Administradora de Consórcios Ltda., em 30 de junho de 2020, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e normas emanadas pelo Banco Central do Brasil.

Principais Assuntos de Auditoria

Principais assuntos de auditoria são aqueles que, em nosso julgamento profissional, foram os mais significativos em nossa auditoria do exercício corrente. Esses assuntos foram tratados no contexto de nossa auditoria das demonstrações contábeis como um todo e na formação de nossa opinião sobre essas demonstrações contábeis e, portanto, não expressamos uma opinião separada sobre esses assuntos. Determinamos que os assuntos descritos abaixo são os principais assuntos de auditoria a serem comunicados em nosso relatório: - Testes sobre o processo e dossiês de consorciados contemplados;
- Constituição e Encerramento de Grupos;
- Cumprimentos dos limites de PLA e Capital Mínimo, bem como dos limites operacionais determinados pelo Banco Central do Brasil (Circ. 3.433)
- Ouvidoria;
- Prevenção à lavagem de dinheiro e combate ao terrorismo
Responsabilidade da Administração e da Governança sobre as Demonstrações Contábeis
A administração da Groscon Administradora de Consórcio Ltda., é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro.

Na elaboração das demonstrações contábeis, a administração é responsável pela avaliação da capacidade de a administradora continuar operando e divulgando, quando aplicável, os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contábil na elaboração das demonstrações contábeis a não ser que a administração pretenda liquidar a companhia ou cessar suas operações, ou não tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operações.

Os responsáveis pela governança da administradora são aqueles com responsabilidade pela supervisão do processo de elaboração das demonstrações contábeis.

Responsabilidade do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis
Nossos objetivos são obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, tomadas em conjunto, estão livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro, e emitir relatório de auditoria contendo nossa opinião. Segurança razoável é um alto nível de segurança, mas não uma garantia de que a auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectam as eventuais distorções relevantes existentes.

As distorções podem ser decorrentes de fraude ou erro e são consideradas relevantes quando, individualmente ou em conjunto, possam influenciar, dentro de uma perspectiva razoável, as decisões econômicas dos usuários tomadas com base nas referidas demonstrações contábeis.

Como parte de uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos julgamento profissional e mantemos ceticismo profissional ao longo da auditoria. Além disso, identificamos e avaliamos os riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria em resposta a tais riscos, bem como obtemos evidência de auditoria apropriada e suficiente para fundamentar nossa opinião. O risco de não detecção de distorção relevante resultante de fraude é maior do que o proveniente de erro, já que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, conluio, falsificação, omissão ou representações falsas intencionais.

Obtemos entendimento dos controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados nas circunstâncias, mas não com o objetivo de expressarmos opinião sobre a eficácia dos controles internos da empresa.

Avaliamos a adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis e respectivas divulgações feitas pela administração.
Concluímos sobre a adequação do uso, pela administração, da base contábil de continuidade operacional e, com base nas evidências de auditoria obtidas, se existe uma incerteza significativa em relação a eventos ou circunstâncias que possam causar dúvida significativa em relação à capacidade de continuidade operacional da administradora.

Se concluirmos que existe incerteza significativa devemos chamar atenção em nosso relatório de auditoria para as respectivas divulgações nas demonstrações contábeis ou incluir modificação em nossa opinião, se as divulgações forem inadequadas. Nossas conclusões estão fundamentadas nas evidências de auditoria obtidas até a data de nosso relatório.

Todavia, eventos ou condições futuras podem levar a administradora a não mais se manter em continuidade operacional.

Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada.

Comunicamo-nos com os responsáveis pela governança a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria e das constatações significativas de auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos.

Fornecemos também aos responsáveis pela governança declaração de que cumprimos com as exigências éticas relevantes, incluindo os requisitos aplicáveis de independência e comunicamos todos os eventuais relacionamentos ou assuntos que poderiam afetar consideravelmente nossa independência, incluindo, quando aplicável, as respectivas salvaguardas.

Dos assuntos que foram objeto de comunicação com os responsáveis pela governança, determinamos aqueles que foram considerados como mais significativos na auditoria das demonstrações contábeis do exercício corrente, e que, dessa maneira constituem os Principais Assuntos de Auditoria. Descrevemos esses assuntos em nosso relatório de auditoria, a menos que lei ou regulamento tenha proibido divulgação pública do assunto, ou quando, em circunstâncias extremamente raras, determinarmos que o assunto não deve ser comunicado em nosso relatório porque as consequências adversas de tal comunicação podem, dentro de uma perspectiva razoável, superar os benefícios da comunicação para o interesse público.


São Carlos, 31 de Agosto de 2020.

Andrade, Nogueira & Associados - Auditores e Consultores

ALBERTO FRANCISCO COSTA ARLINDO LEAL DE ANDRADE
Contador CRC-1SP164292/O-0 Contador CRC-1SP114789/O-0
Auditor Independente - CVM 10.600 Auditor Assistente